terça-feira, 3 de junho de 2014

Yayoi Kusama em Obsessão Infinita, a continuação

Meninas,

Vocês se lembram que recentemente comentei sobre a exposição da Yayoi Kusama, no Instituto Tomie Ohtake? Pois então, hoje fui visitar e garantir vários clicks para compartilhar aqui no blog.

Yayoi, hoje com 84 anos, é uma das maiores artistas pop japonesas de todos os tempos, conhecida por sua obsessão por pontos e bolas – Polka Dot art – apesar de atuar em diversas outras áreas como escultura, colagem, literatura e arte performática. Quem aí lembra da sua parceria com a Louis Vuitton? Consegui garantir minha carteira na época, e você?


A exposição tem início com várias pinturas de Kusama, convidando a todos a apreciarem algumas obras, como podem observar nas próximas fotos.


Esse barco-escultura, abaixo, coberto com frutas de plástico, pintura metálica e – sua marca registrada – falos, é a revisita de um trabalho anterior da artista. Em 1963 ela e o amigo e escultor Donald Judd encontraram um barco abandonado na rua. Kusama cobriu-o de formas fálicas, imprimiu 999 fotografias dele e transformou num papel de parede, com o qual envelopou uma pequena sala numa galeria, do chão ao teto (Aggregation: One Thousand Boats Show). Andy Warhol elogiou o trabalho e três anos depois faria o seu próprio Cow Wallpaper.

Walking on the Sea of Death, 1981

I’m Here but Nothing, 2000




Uma sala composta por espelhos e inúmeras lâmpadas penduradas, que vão mudando de cor, impressiona os visitantes. Para atravessar este ambiente é preciso paciência, pois todos vão querer tirar fotos e observar o efeito incrível das cores refletidas e o "infinito" proporcionado pelos espelhos. É simplesmente demais!

Filled with the Brilliance of Life, 2011


Aqui nesse cômodo, você é convidado a voltar a ser criança, ou melhor, fazer colagens... rs. Pois é, cada visitante recebe uma cartela com muitas bolas adesivas de vários tamanhos, para colocar onde quiser!

The Obliteration Room, 2011
Esse cômodo é sen-sa-cio-nal. Você entra e tem 20 segundos para fazer vários clicks... rs. Tô dizendo, diversão mais que garantida!!

Infinity Mirror Room – Phalli’s Field (or Floor Show), 1965

Resultado, uma exposição de primeira linha, com entrada franca.
Não tem como perder!!
Beijos